Quem sou eu

terça-feira, 8 de setembro de 2009

VIAGEM DE ÔNIBUS PELA AMÉRICA DO SUL-PAISAGENS E BOM PREçO

01/09/2009
FLÁVIA MARCONDES
colaboração para a Folha de S.Paulo
Viagens de ônibus podem ser muito mais do que horas perdidas na estrada. Doces regionais, sítios históricos e paisagens escondidas aguardam o viajante que escolhe se aventurar por terra.
A jornalista Juliana Sayuri, 23, é uma das adeptas desta forma de viajar. Em junho deste ano ela partiu de São Paulo tendo como destino final Caracas, na Venezuela --um trajeto de várias escalas que durou ao todo 50 dias. Com exceção da volta de avião e de um ou outro trecho de trem, foi tudo percorrido de ônibus.
Arquivo Pessoal
Entre o Peru e o Equador, Juliana Sayuri viu muita estrada passar
Veja preços, itinerários e duração de viagens pela América do Sul
Mochileira, Sayuri diz que o mais relevante na escolha do transporte é o custo "infinitamente mais barato" do ônibus. De fato, uma passagem de avião de São Paulo para Córdoba, na Argentina, custa hoje R$ 543,30 pela Gol, enquanto o ônibus pela viação Crucero del Norte sai por R$ 185, com direito a refeições.
Arquivo Pessoal
Juliana fez uma viagem de ônibus com duração de 50 dias até Caracas (Venezuela)
Mas a contabilidade dos gastos não é o único motivo que impulsiona esses turistas. O aprendizado sobre o lugar que se visita é um dos pontos altos das viagens rodoviárias, que permitem observar diferenças ambientais, culturais e econômicas pelo caminho.
"Dá para conhecer mais do país por terra do que olhando tudo de cima. A gente aprende muito mais de geografia, vegetação, além das pessoas", afirma Sayuri.
Para o turismólogo Maurício Pimentel, 24 anos, o trajeto de ônibus se torna mais agradável que o de avião quando os quilômetros percorridos deixam de ser uma simples distância a ser vencida e se tornam parte do passeio. "A viagem de ônibus me possibilita verificar a transição entre um lugar e outro. O avião conecta os pontos principais, mas deixa de lado o 'recheio'", diz.
Para quem busca paisagens escondidas, o terrestre também é a melhor opção. Sayuri recomenda a travessia para Santiago, que inclui a passagem pelo monte Aconcágua, na Argentina, o pico mais alto das Américas, com 6.959 metros de altitude. "Apesar de dar medo por ser muito alto, é uma vista incrível que você só tem se estiver na estrada", diz.
Estradas nacionais
Mas as opções de rotas com paisagens bonitas não estão somente nos países vizinhos. No Brasil, por valores também em conta, os viajantes podem encontrar muitos destinos interessantes.
Pimentel conta sobre a viagem que fez de Porto Alegre, onde mora, a Montevidéu, no Uruguai, cruzando o pampa gaúcho. No caminho é possível experimentar os famosos doces de Pelotas e visitar a casa do líder da Revolução Farroupilha, Bento Gonçalves, em Camaquã, no Rio Grande do Sul.
Já no Uruguai, o trajeto passa pelo Pan de Azúcar, que com apenas 423 metros de altitude é um dos morros mais altos do país, e pelo o Forte de Santa Teresa, a 30 km do Chuí.
No entanto, para as visitas que fujam das paradas do ônibus rodoviário ou que demandem estadias, o viajante precisará comprar mais de um trecho, contratar uma excursão ou alugar um carro, o que poderá resultar em custos adicionais.
Quem quiser ir para Florianópolis, por exemplo, paga R$ 95 no ônibus da Viação 1001 saindo de São Paulo. Já de avião a passagem mais barata custa R$ 289 na Gol, sem a possibilidade de parar alguns dias em Curitiba (PR) ou nas praias do Balneário Camboriú (SC).
De São Paulo ao Balneário a passagem de ônibus sai por R$ 80 na Auto Viação 1001 e o resto do caminho é percorrido por cerca de R$ 20 pela Auto Viação Catarinense. Para Curitiba, a passagem mais barata é R$ 49 pela Itapemirim. De lá até Florianópolis sai por R$ 44,43 pela Catarinense.
Para oferecer alternativas ao turista, o Ministério do Turismo planeja lançar para a Páscoa de 2010 um novo tipo de pacote. Batizado de Cruzeiro Rodoviário, a opção permitirá a compra de trechos isolados de excursões, dando ao viajante a possibilidade de montar o seu próprio roteiro e permanecer nos locais de preferência durante o tempo que desejar, respeitando o mínimo de duas noites. Os primeiros destinos serão traçados para a região sudeste.
Veja preços, itinerários e duração de viagens pela América do Sul
Monte seu kit para viajar de ônibus
- Garrafa de água- Casaco de frio- Palavras cruzadas ou livros- Escova e pasta de dentes- Toalha de rosto- MP3 player- Travesseiro para o pescoço- Chinelos- Câmera fotográfica

terça-feira, 1 de setembro de 2009

SINDEGTUR-SP - Convocação p/Reunião de Classes em 31/08/2009

Dia 31/08 estive na SINDEGTUR-SP http://www.sindegtursp.com.br/page1.aspxNa ocasião foi apresentado o atual Presidente do sindicato Sr. Antonio De Marchi, delegado de S.José do Rio Preto, guia de turismo e especializado em fiscalização que juntamente com Dra. Adriana Gradim, também guia de turismo e advogada, conduziram a pauta da reunião. Foram apresentados planos de trabalho, constituição de comissões de trabalho, sindicalizações e levantamento de propostas e sugestões. Foi bastante interessante, no final mais parecia uma troca generalizada de informações entre os participantes. Dra. Adriana propos uma campanha em massa para a valorização da categoria, tbm convocou as pessoas para se sindicalizarem e ajudarem o sindicato a defender os direitos dos guias de turismo. Ela mencionou todos os benefícios que o sindicato já oferece e os que ainda pode vir a oferecer , caso todos os guias estejam sindicalizados. Foi proposto fazer uma comissão de fiscalização para, entre outras coisas, evitar que pessoas sem credenciamento trabalhem como guia. O Sr. De Marchi defende a idéia de que todos os guias devem estar sindicalizados para poder trabalhar, pois segundo ele somente assim o sindicato pode defender a categoria. Também foram solicitados voluntários para integrar a comissão de convênios para aux. médico, odontológico, desconto em farmácias. Na minha modesta opinião está faltando um pequeno item chamado Complementação Previdênciária, ou seja um pecúlio que o guia possa fazer para ter no futuro uma melhor aposentadoria. Também foi proposto fazer uma comissão para distribuir ofícios em agências operadoras, para concientização dos direitos e obrigações das empresas perante a categoria. Finalizando, o valor da taxa de associação será trimestral, R$ 30,00 ou anual, R$ 100,00.
Documentação necessária para inscrição:
02 fotos 3x4
xerox da credencial
ficha de inscrição preenchida
curriculun vitae
Aqui vai meu protesto! Porque é necessário o curriculun para fazer a inscrição? Creio que ñ é de competencia do sindicato selecionar o guia, ou seja, quem tem mais experiência e quem tem menos experiência. A meu ver a seleção do candidato deve ser feita pela agência que o contrata. Na ficha deve ser declarado se o guia fêz algum curso especial, por exemplo, guia cultural, ou se ele é guia ou monitor. Agora o sindicato ñ precisa ter o curriculun profissional do guia, ou seja, onde ele trabalhou, por quanto tempo... Esse tipo de informação pode induzir a uma prévia seleção por parte do sindicato, ou seja o sindicato escolhe a quem indicar para este ou aquele trabalho... Desculpem mas isso ñ é de competencia do sindicato!
E vcs, meus amigos guias, o que acham?

AMANHÃ TEM ANIVERSARIANTE!

A Nossa querida colega GUIA DE TURISMO, Carolina C. Lorusso, faz aniversário amanhã dia 02 de setembro.
Parabéns para ela! Muitas felicidades, muitos anos de vida!
Um abração
Marisol